terça-feira, 15 de maio de 2007

Poeta de Rua

Poeta de Rua
Que vive, que sente
Que vive a fingir o que não sente
É amado sem saber,
Mas finge que vive sem amor
Que procura na profundeza da alma, a dor
Finge que sonha acordado,
Com os pés assentes na terra

Poeta de Rua que tem uma vida composta por dois seres
Que procura no calor da noite o amor
Nas brisas matinais vive a saudade
Ao final da tarde já consegue sentir a dor!

Poeta de Rua que diz o que pensa,
Sem pensar no que realmente sente
Vive no seu mundo,
Alimenta-se dos seus infinitos desejos,
De tanto pensar no amor
Poeta de Rua
Que vive, que sente, que mente
Que finge o amor, que finge a dor!

11 comentários:

Marcelo disse...

"Poeta de Rua que tem uma vida composta por dois seres
Que procura no calor da noite o amor
Nas brisas matinas vive a saudade
Ao final da tarde já consegue sentir a dor!"

Ai,ai..Lindo,lindo.

Sabe o que pensei enquanto lia esse poema?
Você o declamando em um sarau, hehehe.
Lindo, menina, deslumbrante.

Sandokan disse...

Afinal, neste palco da vida, todos temos um pouco de POETAS DA RUA.
LINDO POEMA.
Se não nos ajudarmos uns aos outros, quem o fará?

A casa está vazia.
Subo as escadas e tu apareces,
às vezes,
com as cores do Outono.
Vejo um vulto, és tu
que me deixas uma marca
sobre a minha palidez.

Já não queres aprender
com o passado e só preferes
gritar, chegar ao fim da vida
para então descobrir
que não viveste.

Já não falas e não te moves,
e no entanto a minha vida estremece,
assaltada pelos teus gemidos profundos.
O pranto cresce nas ruas da amargura
porque abandonas a terra,
olhando para trás.
Então, agora vislumbras beleza, a alegria que nunca tiveste,
porque os medos em que viveste
te impediram de ser feliz.
Os meus dedos continuam a fechar
os olhos...
dos guerreiros mortos.

Quero agradecer, respeitosa e sinceramente, a todos aqueles que fazem do "nosso"

http://lusoprosecontras.blogspot.com
um ponto de encontro onde a Amizade, a Paz e o Bem nos fazem sentir e viver a vida com mais AMOR.

BEM-HAJAM!


Felicito-te, também, por me presenteares com este teu maravilhoso blogue. Gosto muito de aqui "ancorar".

Sailing disse...

adorei o pooema ... o poeta que sonha e faz sonhar, que alimenta o sentimento e que sente, que chorar e que faz que as lagrimas brotem em nosso rosto ....

Parabens

Mel disse...

Desse jeito o poeta parece ser um fingidor, mas não o vejo assim. Certamente é o que mais sente!
:)
Beijo poetinha!

Girassol disse...

Vanda, que maravilha de post!
Senti-me um pouco Poeta de Rua, dividida entre o sentir e o pensar, alimentando-me dos meus infinitos desejos...
Vou ler mais uma vez.. adorei mesmo! =)

Beijinhos.

Sandokan disse...

Agradecemos muito a tua consideração pelo nosso blogue. São pessoas como tu que tornam este mundo melhor.
Vamos acrescentar o teu belo blogue aos nossos favoritos.

Beijinhos grandes e doces.

Clementine disse...

Oi, estou inaugurando meu blog "Cara Que Teres". É uma publicação de textos de minha autoria. Venha fazer uma visita e deixar sua opinião!

Clementine
http://caraqueteres.blogspot.com/

Freyja disse...

hermoso poema, el poeta de la calle es que siente la vida y vive entregando versos envueltos en sueños
gracias por tus saludos en blog Luso
que estes bien



besos y sueños

Um Certo Mr. Wattles disse...

Oi, estou passando para avisar que postei o capítulo IV do meu livroblog! Apareça quando puder e deixe sua opinião!

Abraço.
Mr. Wattles - A CIÊNCIA DE SER RICO
http://mrwattles.blogspot.com/

Freyja disse...

gracias por tus saludos y tienes un blog muy lindo
yo tambien entiendo lo que escribes, no te preocupes por el español
besitos y que estes muy bien


besos y sueños

Nilza disse...

Olá!

Hoje, eu esqueci a poesia na cama.
Tentei sorrir e gritei ao receber uma mensagem.
Se você quiser dividir comigo minha indignação,
venha, nem sempre temos só coisas boas pra mostrar...

Beijos e bom dia!