quinta-feira, 2 de novembro de 2006

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara.

Livro dos Conselhos
Ensaio sobre a cegueira - José Saramago
Já faz algum tempo que li o "Ensaio sobre a cegueira".Mas este livro, ou melhor a sua mensagem, ficou a perpetuar os meus pensamentos...
O quanto o Homem é um animal!
Esse lado animalesco, a besta que vive dentro de cada ser humano!
Será que conheço esse lado de mim, os meus limites, a fronteira entre o racional e o irracional.
O ser humano, quando privado de algo primário, transforma-se num predador violento e sanguinário, em constante estado de alerta, farejando constantemente, pronto atacar, sem necessidade de ter um nome, medir o tempo, sem civilização.
As necessidades da carne atingem um patamar elevado, as do espírito são renegadas...
E, tudo isto, porque num belo dia, como tantos outros deixou de ver, mergulhou numa cegueira branca, tão branca como o leite, perdeu apenas um dos vários sentidos que os simples mortais possuem...apenas um!
Na desgraça somos todos iguais, velhos e novos, ricos e pobres!
Nem sempre, em terra de cegos quem tem olho é rei!
A decadência humana surge porque nos recusamos a ver, a ver quem somos!

3 comentários:

Mel disse...

Somos animalescos sim... Temos o instinto de sobrevivência e não mediremos esforços para nos mantermos vivos... Passei por algo parecido há poucos dias, acredite!
:)
Bjo

Simone Ferraz disse...

Oiiiiiiii!!!
Mais um texto muito bom hein!!!
Adorei!!!

Beijos,
Simone.

Anónimo disse...

"-A cave do mar deve ser muito bonita-observou Fio Maravilha, enquanto mirava a imensidão do oceano.
-O mar não tem cave, tem fundo-respondeu Nuvem maria.
-É a mesma coisa.Quem é que vive lá em baixo?
-É um outro mundo.Há peixes, plantas, conchas, areia. Até submarinos.
-Não me digas!
-Pois é.
-Imagina se, neste momento,um submarino estivesse a passar mesmo à nossa frente.
-É possivel.
-Gostava tanto de andar de submarino.
-Bom isso não te posso dar.Mas tenho uma surpresa para ti.
-Que surpresa?
-É uma coisa doce.
-Vá lá, não me faças sofrer. Diz o que é.
-Gostas de chocolates?
-Não sei. Nunca provei"